Uma Palavra Amiga

O preço do discipulado

21 de Maio
Ora ia com ele uma grande multidão; e, voltando-se, disse-lhe: Se alguém quiser vir a mim, e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda também a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo. Pois, qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer conta dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Lucas 14:25-28
Ouvir

Jesus não tinha falta de discípulos. Arranjar seguidores era aparentemente uma das coisas mais fáceis para Ele. Afinal, tinha o poder de lhes curar as doenças, de os alimentar miraculosamente, se necessário fosse, e contava grandes histórias. No conjunto, Jesus era uma forma maravilhosa de passar o tempo.

Muitos dos que O seguiam não tinham a mais pequena ideia sobre o que aquilo significava. Daí que Jesus pare, Se volte para a multidão e lhes apresente os factos brutais da vida a respeito do verdadeiro discipulado. Este significa “odiar” a família e até a própria vida.

Neste ponto, Jesus está a aplicar uma hipérbole (uma afirmação extravagante e exagerada como figura de linguagem) para lhes captar a atenção. O significado central daquilo que Ele estava a tentar passar-lhes é que nada neste mundo se pode intrometer à frente de Deus na nossa vida – que nenhum amor na vida (nem mesmo o amor por nós próprios) se pode comparar com o amor que temos por Ele. Tornar-se seguidor de Jesus significa estar disposto a dar tudo por Ele, mesmo a própria vida.

Sem dúvida que Jesus deve ter captado a atenção das pessoas com as Suas afirmações diretas sobre odiar a respetiva família e odiar a própria vida. E agora, que já lhes prendeu a atenção, insiste no facto de que segui-l’O não é uma escolha inócua.

Isto levou-O ao Seu breve sermão sobre o preço do discipulado, que é concluído em Lucas 14:33 com esta máxima: “Assim, pois, qualquer de vós que não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.”

Calcular o preço a pagar é crucial para futuros discípulos. Por isso, é importante para mim.

E qual é o preço? Não é simplesmente o meu dízimo (10 por cento dos meus rendimentos) e as ofertas. Significa permitir que Ele seja Senhor de todo o meu dinheiro.

Também não significa simplesmente um sétimo do meu tempo no Sábado, durante o qual eu Lhe presto culto de adoração. Não! Significa deixar que Ele seja Senhor de todo o meu tempo.

Então, qual é o preço de seguir Jesus? Nada menos do que a dedicação total de tudo o que sou e tenho para o Seu reino e para Sua glória.

Ajuda-me hoje, querido Senhor, não apenas a avaliar o custo, mas a estar disposto a pagá-lo.